G-FXN8W5VETM
 
Buscar
  • Quantung Portugal Cannabis Export

A PLANTA DE CANNABIS COMO MEDICAMENTO

Atualizado: 3 de Dez de 2020

Cannabis usada como remédio na antiguidade

O uso da planta de cannabis como medicamento não é novo. Cannabis para fins medicinais já foi usado milênios antes de Cristo. A evidência mais antiga existe de um compêndio de plantas medicinais da China (o Shennong pên Ts’ao ching) do ano 2737 aC. Por exemplo, o imperador chinês Shennong usou a resina da planta de cannabis como medicamento. Isso inclui constipação, problemas ginecológicos, gota, reumatismo, malária, beribéri e retardo mental. Outra evidência de cannabis medicinal remonta a cerca de 3500 anos. Do antigo papiro Ebers, um dos textos mais antigos existentes, que foi encontrado no Egito, indica que a planta cannabis era recomendada para a unha.

Hildegard von Bingen (1098-1179) também mencionou a cannabis como medicamento em seus escritos. Além disso, sabe-se que, no tempo de Napoleão, a cannabis era usada como analgésico, sedativo e para aliviar as convulsões. Mais tarde, a cannabis era usada como remédio. Seja como xarope para tosse, remédio para indigestão, analgésicos ou bandagem para calos. Foi um dos extratos vegetais mais amplamente administrados no mundo.

Então, a maconha medicinal desapareceu de repente do mercado na primeira metade do século XX. Leis foram aprovadas proibindo a cannabis como medicamento. Alegadamente porque havia remédios melhores e mais eficazes e porque eles eram muito perigosos. No entanto, estes não foram os motivos reais. Por que a cannabis foi realmente banida como remédio não é o assunto deste artigo. Há informações suficientes sobre isso na internet para quem se interessar pelo assunto.


Pesquisa moderna de cannabis

Em 1964, a pesquisa moderna sobre cannabis começou com o isolamento do principal canabinóide psicoativo delta-9-THC. Em 1980, descobriu-se que o sistema endocanabinóide (ECS) estava presente em todos os mamíferos. A descoberta e exploração do ECS, com seus receptores e ligantes, proporcionaram uma compreensão muito maior dos efeitos dos canabinóides. Até o momento, dois receptores canabinóides foram encontrados, os receptores CB1 e CB2. Uma substância endógena chamada anandamida, que é particularmente comum no sistema nervoso central e adere ao receptor CB1, foi descoberta em 1992. Desde 1998, a substância activa principal THC pode ser prescrita sob a forma de preparações sintéticas. Desde 2011, partes de plantas como a maconha podem ser usadas para a produção de cannabis medicinal. Desde 10 de março de 2017, os pacientes na Alemanha podem obter cannabis medicinal mediante receita médica. Os custos são cobertos até mesmo pelas companhias de seguro de saúde.

A pesquisa sobre a cannabis ainda tem muito a fazer e continuará a ser emocionante à medida que evolua. Uma coisa é clara: Após demasiadas pesquisas e estudos sobre os efeitos positivos da planta cannabis, seria impensável a exclusão da mesma para fins medicinais.


CANNABIS MEDICINAL (MEDICAMENTOS COM CANNABIS) NÃO É APENAS CANNABIS COMO MEDICAMENTO


Uma distinção importante

Como o título desta secção sugere, os medicamentos com cannabis (cannabis medicinal) não são o mesmo que a cannabis como medicamento. Nós, consideramos importante uma distinção entre esses termos, com relação à uso e efeito. Nos parágrafos seguintes, queremos trazer mais clareza.


O que é cannabis medicinal / medicamentos com cannabis?

As plantas não podem ser patenteadas, portanto, a indústria farmacêutica procura estabelecer os compostos químicos e substâncias de planta artificialmente, mais especificamente a sintetizar. Assim, muitos compostos químicos da planta de cannabis foram sintetizados com sucesso. Estes canabinóides artificiais são usados ​​para fazer medicamentos. Estes medicamentos com cannabis contêm, em geral, não só compostos sintéticos da planta de cannabis, mas também outros compostos químicos com efeitos secundários possivelmente graves.

Então há também medicamentos com cannabis que contêm canabinóides naturais (adquiridos dos extratos de plantas), mas também substâncias artificialmente produzidas são  frequentemente adicionadas para adequar o medicamento à uma doença específica. A cannabis medicinal só pode ser prescrita por médicos e não está legalmente disponível na Alemanha sem receita médica. A cannabis medicinal também contém geralmente o agente psicoativo THC, que por ex. no óleo de CBD só pode ser encontrado no máximo em vestígios.

Conclusão: Medicamentos com cannabis são muitas vezes medicamentos prescritos com canabinóides artificiais produzidos em um laboratório. Isso não tem mais muito a ver com a natureza!


Cannabis como medicamento

Por que se precisa sintetizar compostos de plantas se pode-se também usar os ingredientes naturais da planta? A razão é simples: A ganância pelo lucro das empresas farmacêuticas. Substâncias vegetais que ocorrem naturalmente não podem ser padronizadas como fabricadas artificialmente. Então, ao invés de tomar um medicamento à base de plantas (em que as concentrações dos ingredientes ativos podem variar um pouco), o consumidor prefere ter certeza que o conteúdo condiz com o que está escrito trazendo respectivamente também o efeito prometido.

Dessa forma, a cannabis como medicamento difere da cannabis medicinal que utiliza simplesmente os ingredientes naturais da planta cannabis sem adicionar substâncias tóxicas ou químicas durante o cultivo (fertilizantes,herbicidas, pesticidas). Como regra geral, as substâncias vegetais curativas (canabinóides) são suavemente extraídas. O extrato pode então ser adicionado a, por exemplo, uma tintura ou um óleo (principalmente óleo de semente de cânhamo). Isso garante que todos os ingredientes da planta sejam preservados e que o medicamento permaneça o mais natural possível.


O que torna a planta de cannabis tão especial?

A planta de cannabis, também chamada de planta de cânhamo, contém mais de 480 substâncias. Incluindo canabinóides, terpenos e flavonóides. Os canabinóides são responsáveis ​​pelos efeitos positivos da planta de cannabis. Até agora, 113 já foram isolados. Os canabinóides mais conhecidos e pesquisados são tetra-hidrocanabinol (delta-9-THC), que é conhecido pelo seu efeito intoxicante, e o canabidiol (CBD), que não é intoxicante e tem um efeito oposto ao de THC. Para informações mais detalhadas sobre os canabinóides mais importantes da planta de cannabis e os efeitos que eles têm, veja nosso artigo Canabinóides – Visão geral.

O efeito dos canabinóides

Canabinóides influenciam e interagem com receptores específicos do SEC, que estão localizados  em todo o corpo (cérebro, sistema nervoso, órgãos, tecidos, tracto digestivo, etc.). Eles ocupam os receptores CB1 e CB2 ativando, desse modo,a transmissão do sinal na respectiva célula. Vários canabinóides agem assim no corpo como um neurotransmissor ou hormônio. A diferença com relação aos canabinóides do próprio corpo é que os canabinóides da planta cannabis imitam ou substituem um mensageiro particular do corpo em seu efeito. Os canabinóides tendem a afetar o sistema límbico do cérebro. Esta é a parte do cérebro que interfere na memória, percepção e psicomotricidade. Além disso, afetam o sistema mesolímbico, que está criticamente envolvido no desenvolvimento da “alegria” emocional, bem como nas regiões dolorosas.


Quais variantes de cannabis como medicamento existem?

A cannabis como medicamento pode ser consumida de muitas formas diferentes. No entanto, a maioria é ilegal porque contém muito da substância psicoativa delta-9-THC. Delta-9-THC se enquadra na Lei de Narcóticos na Alemanha e, portanto, é proibida. Apenas variantes que contenham menos de 0,2% de THC são legais. As seguintes variantes estão disponíveis:

  • fumador

  • Evaporador (vaporizer)

  • óleo de cannabis

  • Comida de maconha (biscoitos etc.)

  • Tinturas líquidas

  • e muito mais

  • Pastilhas


USO DE CANNABIS MEDICINAL / CANNABIS COMO MEDICAMENTO


Os efeitos potencialmente positivos da cannabis

Embora já existam muitas pesquisas e estudos sobre cannabis medicinal que atestam um efeito positivo dos canabinóides, ainda faltam estudos clínicos detalhados de longo prazo na maioria das doenças. Como mencionado anteriormente, a pesquisa moderna está no começo. Por esta razão, o título deste parágrafo também menciona efeitos potencialmente “positivos”. Muitas referências a estudos de canabidiol (CBD) em várias doenças podem ser encontradas em nosso artigo sobre o óleo de CBD. As informações a seguir são todas da Wikipedia.

A cannabis como medicamento tem muitos efeitos benéficos no corpo humano e animal (mais informções no artigo óleo de CBD para animais). A dor crônica e os espasmos musculares (incluindo a epilepsia) são as doenças que estão mais associadas ao uso de cannabis medicinal. Náusea (por exemplo, em caso de quimioterapia), perda de apetite (por exemplo, HIV / AIDS) e tiques (por exemplo, síndrome de Tourette) também podem ser diminuídos através de cannabis medicinal. Drogas com cannabis têm sido recomendadas para insônia, anorexia, artrite, enxaqueca e glaucoma.

Visão geral – Possível aplicabilidade da cannabis como medicamento

Aqui está uma visão geral de em quais doenças e queixas a cannabis medicinal  pode ajudar ou levar ao alívio:

  • falta de apetite

  • náusea e vômito

  • anorexia

  • diabetes Tipo 1

  • artrite

  • insônia

  • enxaqueca

  • dor crônica

  • psicose

  • esclerose Múltipla (EM)

  • epilepsia

  • glaucoma

  • indigestão

  • cancro

  • Alzheimer

  • fibromialgia

  • problemas de movimentação

  • coréia de Huntington

  • doença de Parkinson

  • A síndrome de Tourette

  • Ansiedade e ataques de pânico

  • Transtorno de estresse pós-traumático

  • esclerose lateral amiotrófica (ELA)


Possíveis efeitos colaterais da cannabis medicinal

Cannabis medicinal geralmente não tem efeitos colaterais fortes. Os principais efeitos colaterais dos medicamentos com cannabis são fadiga, tontura, vômitos e efeitos cardiovasculares e psicoativos. Mas você pode se acostumar com esses efeitos depois de alguns dias / semanas. Conduzir e operar máquinas não deve ser praticado até que você se acostume com a maconha como medicamento.

Os efeitos colaterais também dependem da dose. Quanto menor a dose, mais fracos os efeitos colaterais. Um comprometimento a longo prazo da cannabis medicinal em adultos é significantemente improvável porque as dosagens comuns são insuficientes para isso. No caso de adolescentes e crianças, no entanto, a dosagem deve ser cuidadosamente ponderada, pois estes são mais suscetíveis à terapia de longo prazo.

Embora a cannabis medicinal possa ajudar contra náuseas e vômitos, ela também pode causar esses efeitos no uso a longo prazo. Outros efeitos colaterais que podem ocorrer muito raramente incluem:

  • espasmos musculares

  • alucinações

  • coceira

  • Desregulação ortostática

  • tontura

  • Boca seca


CONCLUSÃO

A cannabis como medicamento é bastante segura e tem efeitos colaterais “toleráveis”. Mas mais estudos a longo prazo precisam ser feitos para confirmar isso. No entanto, as aplicações potenciais da cannabis medicinal para tratar doenças parecem enormes. Podemos esperar para ver o que a pesquisa médica descobrirá no futuro próximo. Quando se trata de tratamento, deve-se tomar cuidado para não tomar substâncias sintéticas e de laboratório. Consuma mais suplementos de ervas puras. Use cannabis como medicamento e não medicamentos com cannabis (artificial)!

Posts recentes

Ver tudo